Ir para o conteúdo

Prefeitura de Andradina e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura de Andradina
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
MAI
15
15 MAI 2024
AGRICULTURA
Agro paulista registra superávit de US$ 7,51 bilhões no primeiro quadrimestre de 2024
enviar para um amigo
receba notícias
Em comparação ao mesmo período de 2023, a alta foi de 21,7%

O agronegócio do estado de São Paulo alcançou um superávit de US$ 7,51 bilhões nos primeiros quatro meses deste ano. Em comparação com o mesmo período de 2023, a alta foi de 21,7%. Os dados são do Instituto de Economia Agrícola, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado.

O saldo da balança comercial do agronegócio paulista veio do aumento de 18,6% nas exportações, que totalizaram US$ 9,37 bilhões, e das importações, que alcançaram US$ 1,86 bilhão (avanço de 7,5% em relação ao ano anterior).

Para o secretário de Agricultura e Abastecimento de SP, Guilherme Piai, o resultado favorável do setor deve-se a uma série de fatores, mas principalmente à resiliência do homem e da mulher do campo.

“Vemos que mesmo em cenários adversos, com quebra de safra, com preço de commodities menos atrativo, o produtor rural do estado de São Paulo não deixa de exercer com competência seu trabalho que garante comida na mesa de diversas partes do Brasil e do mundo e, paralelamente, mantém seu posto como mola propulsora da economia paulista”, diz.

De acordo com o balanço, as exportações do agronegócio representaram 42,8% do total dos demais setores do estado de São Paulo nos primeiros quatro meses de 2024, enquanto as importações do setor corresponderam a 7,8% do total.

Exportações por grupos de produtos

Os cinco principais grupos nas exportações, que representam 78% das vendas externas setoriais paulistas no período, foram:

  • Complexo sucroalcooleiro: totalizando US$ 3,65 bilhões, sendo que o açúcar representou 89,9% e o álcool etílico – etanol, 10,1%.
  • Produtos florestais: alcançaram US$ 998,52 milhões, com participações de 53,3% de celulose e 39,9% de papel.
  • Carnes: registraram US$ 986,35 milhões, sendo que a carne bovina respondeu por 83,6%.
  • Complexo soja: totalizando US$ 915,94 milhões, dos quais a soja em grão participou com 84,9%.
  • Sucos: com vendas de US$ 762,63 milhões, com 97,6% referentes ao suco de laranja.

Já o grupo do café, tradicional cultura do estado de São Paulo, aparece em sexto lugar, com vendas de US$ 399,29 milhões (73,6% referentes ao café verde e 23,1% de café solúvel).

Houve ainda crescimento do grupo de fibras e produtos têxteis, cujas exportações aumentaram 1.365,6%. O principal produto foi o algodão não cardado e nem penteado, representando 95% do grupo. Houve ainda aumento significativo no volume exportado, passando de 901 toneladas em 2023 para 139 mil toneladas em 2024, com embarques predominantemente para a China.

Veja as variações nos valores exportados dos principais grupos de produtos da cadeia paulista:

  • Complexo sucroalcooleiro (79,7%)
  • Café (20,4%)
  • Produtos florestais (13%)
  • Sucos (11,8%)
  • Carnes (5,9%)

Destaques no cenário nacional

As exportações do estado de SP no primeiro quadrimestre representaram 17,9% do agronegócio brasileiro, um aumento de 2,3 pontos percentuais em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Sucos (84,7%), produtos alimentícios diversos (72,2%), demais produtos de origem vegetal (64,0%) e complexo sucroalcooleiro (59,5%) tiveram participação em valores que ultrapassa 50% do total nacional.

Seta
Versão do Sistema: 3.4.1 - 29/04/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia