Ir para o conteúdo

Prefeitura de Andradina e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura de Andradina
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
SET
04
04 SET 2023
CULTURA
Estátua em homenagem a boiadeiros está sendo restaurada na Moura Andrade
enviar para um amigo
receba notícias
A estátua em homenagem aos boiadeiros, que fizeram a vida levando gado para todos os cantos do país, está sendo restaurada. Obra do escultor Osmar Francisco de Oliveira (in memorian) ela é um dos símbolos na Praça Antônio Joaquim de Moura Andrade, fundador de Andradina e conhecido nacionalmente como “Rei do Gado”. Ela foi um presente do escultor, que também tem um conjunto de obras instalado na explanada da estação Ferroviária de Andradina (nova estação).
 
Como compromisso assumido pelo Governo de Andradina, todos os marcos históricos da cidade estão sendo recuperados. Uma nova homenagem aos “boiadeiros” e a figura do “Rei do Gado” estão sendo construídas no trevo da Avenida Guanabara.
 
Já a Praça Antônio Joaquim de Moura Andrade foi entregue a população totalmente reformulada
 
O trabalho realizado na praça Antônio Joaquim de Moura Andrade, a “Praça Moura Andrade” agradou tanto, que o sistema de iluminação usado lá será expandido para toda a cidade, segundo anúncio do prefeito Mário Celso Lopes.
 
A nova Praça Moura Andrade foi revitalizada por completo mas toda a tradição e história foi preservada. O busto do fundador, cuja placa desapareceu os anos 90, ganhou destaque, como demais monumentos.
 
O “Rei do Gado”, por sua neta
Quem quiser meu endereço / que não se faça de arrogado / é só chegar lá em Andradina / e perguntar pelo rei do gado”​.
​​
Os últimos versos da canção que ficou marcada na voz de Tião Carreiro fazem alusão a um dos nomes mais famosos da pecuária brasileira do século passado, o fundador de Andradina, Antônio Joaquim de Moura Andrade.
 
Dentre os grandes feitos do empresário estão o de ter iniciado e concretizado a aviação civil no país, junto com o amigo e magnata das comunicações Assis Chateaubriand. O empresário, além de ter fundado as cidades de Andradina e Nova Andradina, participou da fundação de Águas de São Pedro junto com o irmão Octávio.
 
Uma curiosidade: o sobrenome Moura foi adotado pelos irmãos devido ao nome do sócio Guilherme Moura, que dava nome ao empreendimento gerido por eles a “Moura Andrade e Cia.”.
 
Quem atesta e amplia a visão do renomado empresário é sua neta, Stela de Andrade Haik, que revela outras facetas do famoso avô, de quem ela guarda inesquecíveis lembranças e as compartilha nessa familiar e agradável mensagem. Na propriedade que fora de Joaquim Teodoro de Andrade (tio-avô de Moura Andrade), Stela rememora os tempos em que circulava entre os maiores nomes do empresariado brasileiro, sem se dar conta, à época, de que seu avô era um dos principais nomes do meio.​
 
Segue o depoimento da neta do “Rei do Gado”.​
Antônio Joaquim de Moura Andrade, o “Rei do Gado”

M​EMÓRIAS
​”​A minha visão é bem de neta mesmo. Quando ele faleceu, eu tinha 12 anos. Lembro-me bem dele porque vinha muito pra cá. Nós éramos de São Paulo, então convivia bastante com meu avô e com minha vó. Depois disso viemos para Andradina.
 
Quando nós mudamos pra cá, o vovô sempre vinha porque ia para a Fazenda Guanabara, vinha aqui para o frigorífico. Papai veio tomar conta do Frigorífico Mouran (que era de propriedade da família e atualmente hospeda uma unidade da JBS).
 
O vovô tinha uma memória incrível e eu me lembro de que chegávamos à Fazenda Guanabara e ele perguntada dos peões pelo nome. Ele tinha 14 fazendas e guardava o nome dos peões. Se ele fosse à casa de um dos peões e conhecesse a mulher do peão, ele guardava o nome, era impressionante!
 
CHATEUABRIAND
​”M​eu avô era piloto, ele foi responsável por trazer a Aviação Civil. Ele e o Assis Chateaubriand trouxeram os primeiros “aviões”, fundando a Aviação Civil no Brasil. Esse primeiro avião que eles foram buscar nos Estados Unidos, o Assis Chateaubriand foi junto com o vovô. O Chateaubriand ficava encantadíssimo como meu avô tinha facilidade pra declamar, e ele gostava muito.
 
Eles se admiravam mutuamente. O vovô também falava que ele era uma pessoa muitíssimo inteligente. E gostavam da companhia um do outro. Além dessa questão de terem feito algumas viagens juntos, também pelo próprio interesse jornalístico do Assis Chateaubriand no fato do vovô na época estar em evidência e ascendência, tendo fundado uma cidade que estava progredindo muito, numa época que era do “pós-guerra”. Era inegável que meu avô era uma pessoa muito influente.
 
O Chateaubriand era um jornalista muitíssimo inteligente e por ser isso, sempre procurava se acercar de pessoas influentes. O pessoal fala que ele sempre fazia amizade com esse pessoal que tinha muito dinheiro.
Como gostava muito de obras de arte, então sempre tendo oportunidade e sendo amigo dessas pessoas influentes, sempre estava dando uma “facadinha” (vamos dizer assim né) “oh, eu gostei de um quadro assim, muito bonito, você não quer fazer uma doação, pro nosso museu?”.
 
CAFÉ
​Ele​ mudou-se para Santos, pois alugou um armazém pra estocar café, porque ele acreditava que estava em vias de estourar a guerra e por isso teve uma crise do café no Brasil e começaram a vender muito barato. Ele falou para o sócio que ia começar a comprar café e o sócio Seraphim Collettes disse: “Antônio você pirou de vez, se você quer comprar café eu estou fora da sociedade, comprem por conta de vocês”. Dai permaneceu ele e o Guilherme Moura.
 
Eles estocaram cada vez mais café e quando a guerra estourou ele tinha estocado e vendeu em dólar, que foi onde ele ganhou muito dinheiro e começou a comprar terra. Isso fez com que o outro sócio desistisse do negócio. O Guilherme Moura disse que não ia acompanhar mais, pois não queria ir para o interior já que sua esposa era poetisa e queria publicar livros.
 
FAMÍLIA
Quando os vovôs eram vivos, as férias eram sempre na fazenda perto de Mogi Guaçu, chama Fazenda Cataguá e era a fazenda preferida da minha avó. Quando morávamos em São Paulo, passava minhas férias com a vovó e iam todos os netos. Na adolescência, com 13 anos, vinham para minha casa, onde hoje é a Friboi. Às vezes, meus tios queriam ir para a Europa, mas meus primos vinham para Andradina.
 
Tem uma história engraçada: minha irmã foi estudar secretariado no Mackenzie e tinham as menininhas tudo “grã-fininhas”. No final do período, perguntavam: “pra onde vocês vão nas férias?”. Umas para os Estados Unidos, outra para a França, a minha irmã e minha prima estudavam na mesma classe, e elas diziam: “vamos pra Andradina City”, e era aqui!
 
O vovô era muito caprichoso. Todas as fazendas dele eram aparelhadas de forma que tinha uma preocupação social. Hoje em dia se fala tanto e, para nós na época, era muito natural. As fazendas tinham escola de boa qualidade, pronto socorro, dentista para os funcionários. Eu fiz o primário aqui no colégio que tinha no frigorífico.
 
Nas Fazendas Guanabara (Andradina), Cataguá (Mogi-Guaçu) e Primavera (Nova Andradina) tinha uma parte social (estrutura), onde os funcionários podiam fazer festas. Tinham Capela para casamento e batizado, elas eram aparelhadas como uma micro vila onde os funcionários tinham esses serviços.
 
A maioria das fazendas tinha uma horta comunitária que os empregados tomavam conta e usufruíam e também mandavam verduras para a sede. (Com Hugo Rocha)
 
Eu sabia que meu avô era uma pessoa muito importante. Ele era uma presença tão cativante que quando ele me fazia um elogio, era espetacular.
 
Tinha uma aura envolta dele de muita reverência e admiração. Não sei se era simplesmente porque era meu avô, mas era grandiosa a presença dele. Era muito marcante. Ele tinha um jeito altivo, era acessível e isso que era bacana.
 
Eu já tinha uns oito anos e veio o Marechal (TEIXEIRA), esteve na minha casa no frigorífico, e meu pai serviu um almoço. Vovô estava presente e também algumas figuras importantes. Eu via que ele estava sempre cercado de gente importante. Tinha uma aura de respeito e formalidade nessas ocasiões e, quando a gente saía em uma festa cívica, eu percebia a reverência das pessoas então eu falava: “Acho que meu avô é importante”.
 
Seta
Versão do Sistema: 3.4.1 - 29/04/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia